Casa Lar CETE apresenta: Mais Uma História com final feliz…

O CETE tem acompanhado muitas histórias de crianças que passam por nossa casa, e ao longo desses vinte anos tem contribuído para que o bem estar delas seja priorizado e seus direitos garantidos. Exemplo dessas histórias é a da menina de quatro anos que passamos a relatar sucintamente sem citar nomes para preservar a identidade dos envolvidos.

A menina, agora com quatro anos, chegou a nossa casa há sete meses com processo de destituição do poder familiar quase concluído e com possibilidade de colocação na família extensa, pois a avó paterna estava recorrendo à guarda. Embasado no estudo social realizado pela equipe do judiciário, o juiz concedeu à guarda a essa avó de 70 anos, que não tinha vínculos com a criança, pois morava longe, e recomendou que antes da entrega formal da criança, fosse feita uma aproximação gradativa que deveria ser acompanhada pela equipe técnica do CETE. Iniciado o estágio de convivência entre a criança e a avó, a equipe percebeu que o vínculo entre elas era frágil e que a criança não estava se adaptando, além de uma senhora de 70 anos não estar conseguindo dar conta da demanda que a criança precisava. Mesmo com determinação judicial, a equipe fez as informações necessárias, devidamente embasadas no que o Estatuto da Criança e Adolescente preconiza. E assim, através de um trabalho conjunto com as demais equipes envolvidas, pois havia três comarcas envolvidas no processo, foi possível reverter à situação oferecendo a criança um arranjo familiar mais apropriado. Uma tia com a qual a menina já havia demonstrado afetividade conseguiu, através do trabalho de atendimento da nossa equipe, perceber que ela poderia ser a mãe dessa criança. Inteirados desse novo arranjo, que foi embasado nos relatos da equipe técnica do CETE e no estudo social realizado pelo judiciário, a juíza e o promotor foram favoráveis a essa colocação. E hoje estamos felizes por compartilhar essa história que teve um final feliz, onde a criança encontrou na própria família a possibilidade de ser filha em um lar que oportunize a ela o direito de SER CRIANÇA.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s